Arquivo da tag: Dra. Isabel do Val

Mais do mesmo, e dicas a serem relembradas

E aí, meninas lindas do meu Brasil! (e Portugal!)

Meu tratamento continua firme e forte.

Dra. Isabel pediu uma série de exames de rotina, e deu tudo negativado. Cândida, infecção urinária, todas as DSTs (por  mais que eu me cuide é sempre bom, né?), glicose, etc. Volto nela dia 24 só pra mostrar os exames e acompanhar meu quadro.

O tratamento continua com Amitriptilina 50mg/dia e fisioterapia uroginecológica 1 x por semana. Agora a dor se concentra em 3 pequenos pontos específicos, e não mais generalizada. A pressão nesses pontos ainda incomoda, mais especificamente em um do lado direito,  que descobri há pouco tempo. Quando toca/pressiona ali, eu vou à lua e volto. Os outros 2 já são bem mais amenos.

A ardência espontânea que já tinha melhorado, e aparecia somente no período pré-menstrual e menstruação, esse mês só veio um diazinho, bem de leve, no período pré. E falando em menstruação, reforço uma dica que já foi dada aqui.

No mês passado resolvi seguir à risca a orientação da Dra. Isabel, que era usar absorvente interno durante toda a menstruação. Eu vinha usando somente durante o dia, mas para dormir, eu usava o normal. Mas, depois que eu tive uma reação alérgica surreal a um absorvente perfumado (que na embalagem não informava ter perfume nenhum), eu peguei trauma e resolvi testar. Fiquei super mal, com medo que tudo voltasse, e que  meus 5 meses de fisioterapia tivessem sido jogados no lixo. Mas GRAÇAS, passou logo.

Mas, voltando ao O.B., QUE DIFERENÇA ABSURDA. De fato, o contato do sangue com hormônios na mucosa irrita! Não senti incômodo nenhum. E, quando bem colocado, parece que nem tem nada dentro de você. Para ajudar, vale usar o Nujol para lubrificar não só o absorvente interno como a própria vulva, na hora de introduzir.

Agora, quero me organizar financeiramente para voltar à terapia, pra perder o medo da dor. Preciso tirar essas lembranças da minha cabeça e desassociar a proximidade do ato sexual de medo, nervosismo, tensão, e voltar a deixar tudo fluir como era antes. A dor já é MUITO menor e não me impede mais de ter relações. Já tive relações nos últimos meses, e as coisas aconteceram bem melhor do que eu esperava. Mas as lembranças ruins e o medo do quadro regredir ainda me travam consideravelmente…

O que interessa é que a cura existe, já temos duas meninas totalmente curadas e tendo relações normalmente, sem dor provocada ou espontânea.

E vamo que vaaaaaaaaaamo!

Anúncios

Mais um passo rumo à cura total

Ontem voltei à Dra. Isabel, a ginecologista que cuida das meninas aqui no Rio.

Que alegria, gente.

Ela repetiu o mesmo exame que fez na primeira vez que eu fui lá. Ele consiste em tocar com um cotonete, as áreas de dor aguda onde a vulvodínia se manifesta. Na época, eu gritei de dor e chorei em cima da maca. Ontem, eu simplesmente não senti nada. Até perguntei se ela estava fazendo mais suave, com menos força, e nada.

Aproveitei pra colher o preventivo, já esperando que quando o espéculo fosse aberto, doesse um pouco… e NADA.

Pela PRIMEIRA VEZ na VIDA eu fiz um preventivo sem dor.

Acho que não existem palavras para definir o que isso representa na vida de uma mulher depois de anos de dor física e psicológica.

A própria Dra. Isabel ficou com um sorrisão enorme, e disse:

-Estou impressionada com sua melhora, menina! Lembro de você chorando aqui no meu consultório!

Isso não significa que já eu esteja 100% curada. Na fisioterapia, fazemos procedimentos de maior pressão e atrito, o que ainda causam dor e queimação.

Aumentamos a dose da Amitriptilina para 50mg, pra ver se acelera isso aí.

Aproveitei para tirar com ela diversas dúvidas sobre outras possibilidades de tratamento que volta e meia aparecem. Segundo ela, os únicos tratamentos oficiais e com resultados comprovados são os cuidados com higiene local, alimentação, medicação (antidepressivos tricíclicos ou anticonvulsivos) e a fisioterapia uruginecológica + biofeedback, que é o que há de mais moderno e com mais resultados mundo afora atualmente.

Sobre outros procedimentos, ela explicou:

-Botox: não existe ainda um número suficiente de pessoas e reaplicações para que se possa avaliar a eficiência e efeitos colaterais. Fora isso, pode provocar a atrofia dos músculos pélvicos.

-Laser: da mesma forma, ainda não existe número de casos suficientes para comprovação da eficiência e efeitos colaterais. Risco: provocar fibrose no processo de reconstrução do tecido local.

-Vestibulectomia: apesar de ser considerado um dos métodos mais eficientes, a cirurgia para a retirada do vestíbulo muitas vezes apenas transfere a dor de lugar. O ponto que doía antes, não dói mais. Mas a dor aparece em outra região do corpo, seja na vulva ou não! (MUITO LOUCO ISSO, não?)

-Retirada das Glândulas de Bartholin: Nem pensar! Mesmo que sua dor lancinante seja nesses pontos, elas são as maiores responsáveis pela nossa lubrificação.

Em suma: SOSSEGUE SUA PERERECA E CONTINUE COM A FISIOTERAPIA. Os estímulos em cada sessão vão aos poucos dessensibilizando a região e fazendo o tecido distinguir o toque do estímulo de dor.

E VAMO QUE VAMO! Eu quero é mais!

😀 😀 😀